Pular para o conteúdo principal

em algum lugar nas estrelas ouvindo billie holiday

Nota desnecessária: tive muita sorte de lê-lo em dia de chuva, porque quando chove é sempre Billie Holiday.
Jack, um menino que perdeu sua mãe e não se sente confortável com seu pai, recém chegado da guerra, vai para um colégio interno. Há o estranhamento inicial. Há aquela admiração sobre a lenda do colégio, Fish. Há Early Auden, o mais estranho de todos os garotos.
Early escuta Mozart nos domingos, Louis Armstrong nas segundas, Frank Sinatra nas quartas, Glenn Miller as sextas, e não escuta nada nas terças, quintas e sábados. Bem, isso se não estiver chovendo, porque quando chove é sempre Billie Holiday. Early também sabe construir barcos e lê a história de pi (o número pi). E ele precisa provar que uma teoria que diz que o pi acaba está errada, porque não é verdade, e pi está apenas perdido.


Early resolve então entrar em uma cruzada, a procura de pi. Por não querer ficar sozinho na escola durante o feriado, Jack se junta a Early nessa cruzada, mesmo não acreditando de verdade nela.



Sobre a escrita do livro: eu achei meio chata no começo. Bem devagar. Mas eu entendo, porque, bem, é pra acontecer por volta de 1945 e são meninos de treze anos, o que, pra mim, não é uma situação extremamente atraente para um livro. Outra coisa que no começo achei bem difícil foi a intercalação entre a história principal e a história de Pi, que é meio chatinho.


Mas então o livro realmente começa a acontecer, a escrita acostuma, e as coisas vão acontecendo e acontecendo, e acontecendo... No fim, vale a pena aguentar um pouco o começo.


Sobre a aparência do livro: é simplesmente incrível. Admito, comprei apenas pela aparência, porque é muito bonito. Capa dura, com fitinha pra marcar as páginas de um rosinha lindo. Vem com um (é pra ser um marca página?) negócio junto com os dias e suas trilhas sonoras, e muitas ilustrações de constelações.

No começo pensei que tinha sido um erro ter comprado ele sem saber muito bem o que falava, mas no final, eu acho que é um livro que vale a pena ser lido. É sobre amizade e sobre ver como as pessoas realmente são e o que seus atos realmente dizem, mesmo que não pareça, e também sobre esperança.
Consegui me emocionar (tipo, de chorar) com o final. Talvez fosse o Mozart, e a música que terminou sincronizada com o livro. Mas talvez foi apenas o livro mesmo.

Algumas informações sobre o livro:
Título: Em algum lugar nas estrelas
Autora: Clare Vanderpool
Ano de publicação: 2016
Editora: Darkside
Páginas: 288


MINHA NOTINHA: 4/5

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

milk and honey, poesia que li meia noite

Eu adoro poesia, principalmente esses livros de poesia que em uma hora ele tá resolvido. Principalmente quando a gente pode se identificar. E ambas as coisas são presentes no livro. Além dele ser fácil. Quer dizer, o livro foi recentemente traduzido para o português, e eu não o li, apenas na língua original, mas devo dizer que meu inglês não é tão elevado, e mesmo assim, a linguagem foi fácil.

O livro também conta com ilustrações muito bonitas, que torna a leitura mais... bonita?

Bem, é isso, é poesia. Não tenho muito o que falar. apenas, leiam.
Informações sobre o livro: Autora: Rupi Kaur Título: Milk and Honey (original); Outros jeitos de usar a boca; Editora (do livro no Brasil): Planeta do Brasil clique aqui para comprar
MINHA NOTINHA: 5/5

a coroa e como eadlyn nem é tão chata assim

Todo mundo que eu conheço que leu A Herdeira ficou meio desapontado porque Eadlyn era chata demais, e tal tal tal. E realmente, ela é muito chata, e ela continua meio chata nesse livro. Mas, diante de toda a situação que ela é colocada depois do estado delicado de saúde de America e com o fim da seleção chegando, ela se torna um pouco menos... chata. Mais madura, talvez?

Se for considerar esses dois últimos livros em relação ao resto da série, eles são muito ruins. Não sei se isso mudou por causa do tempo que afastou a minha leitura dos primeiros livros dos últimos, e especialmente do último, mas parece que a escrita da Kiera Cass, apesar de continuar fluída, aquele livro que você pega o embalo e em umas seis horas, lendo preguiçosamente você termina, parece ter caído um pouco. Desde A Herdeira, mas principalmente depois de ler A Sereia, que foi um dos piores livros que eu li ano passado, parece que não consigo mais achar a mesma graciosidade na forma como ela escreve. Considerando q…